Nov 18, 2017 Last Updated 5:46 PM, Nov 17, 2017

Celebrando 50 anos de ensino musical na região

O PROFESSORA Keila Zuliani mantém entre seus colaboradores alguns de seus ex-alunos O PROFESSORA Keila Zuliani mantém entre seus colaboradores alguns de seus ex-alunos FOTOS CLEITON BEZERRA
Publicado em Video
Ler 1360 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Jubileu de ouro da consagrada Escola de Música Dó Ré Mi será marcado por Culto de Ação de Graças, Louvor e Adoração a Deus na Igreja Adventista do 7º Dia, em Itaguaí, dia 02/09/17, às 19h30

MÚSICA É impossível registrar a história da música em Itaguaí e região sem falar dos nomes da professora Keila Zuliani de Carvalho e de seu empreendimento, a Escola de Música Dó Ré Mi, que comemora 50 anos de existência com um Culto de Ação de Graças, Louvor e Adoração a Deus na Igreja Adventista do 7º Dia, em Itaguaí, no sábado (2). “São cinquenta anos de trabalho, de realizações, de objetivos, de sonhos, de lutas, de conquistas e de gratidão a Deus”, resume a professora Keila, no convite para a celebração religiosa.

Figura dotada de uma profunda devoção espiritual, o que se percebe logo nos primeiros momentos de uma conversa, a professora Keila enxerga na música um dom divino. “A nossa filosofia é incentivar os alunos na descoberta da música que está dentro de cada um de nós. É um dom de Deus buscar o prazer e a alegria que a música proporciona, trazendo equilíbrio na vida, crescimento da inteligência, formação da personalidade, o desenvolvimento da criatividade, da socialização”, diz ela, com a experiência de quem começou a construir seu universo musical aos oito anos de idade.

A história da Escola de Música Dó Ré Mi tem seus primórdios quando a então estudante Keila conhece, em São Paulo aquele que viria a se tornar seu marido. Casada, radicou-se em Itaguaí no ano de 1967, mesma época em que começou a ensinar piano com um único instrumento que possuía. Com o interesse despertado na ocasião, não tardou a perceber a necessidade de adquirir outro e, dessa forma, a escola foi crescendo até os dias atuais, quando, além das aulas de piano, mantém professores ensinando teclado, violino, guitarra, flautas doce e transversa, cavaquinho, violão, violoncelo, saxofone, canto, regência, aulas teóricas e até balé clássico para crianças de três anos até adolescentes de 15.

Em paralelo às atividades da Dó Re Mi, a professora Keila começou a organizar recitais numa época em que cidade nem teatro tinha. Com a ajuda de uma das primeiras alunas, Tânia Mara de Souza Inácio, que depois viria a se tornar sua assistente e primeira professora, organizava apresentações na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, sempre arrebatando o público ao visitar repertórios de compositores como Frédéric Chopin, Wolfgang Amadeus Mozart, Ludwig Van Beethoven e a brasileiríssima Chiquinha Gonzaga. Seu volume de trabalho ganhou impulso maior ainda em 1990, ao inaugurar as novas instalações da Dó Ré Mi, presente do saudoso marido e o maior incentivador.

Orgulho de discípulos com ricas trajetórias

A professora Keila Zuliani encontra na trajetória de ex-alunos um dos motivos para comemorar. Afinal, o resultado de seu trabalho como educadora se materializa hoje em carreiras de nomes como Wayne Cesar, tecladista que também mantém um estúdio de gravação; Kátia Buy, que atua como professora de canto na Escola de Música Chiquinha Gonzaga; e Adriano Souza, professor de violino que acaba de criar uma orquestra de violinos em Itaguaí. São ao todo 19 professores formados em Itaguaí e que atualmente atuam em igrejas, colégios, na Escola de Música Chiquinha Gonzaga e, claro, na própria Dó Ré Mi, escola pela qual já passaram mais de 10 mil alunos.

O trabalho da escola da professora Keila Zuliani fez nascer ainda projetos como o primeiro coral municipal de Itaguaí, o Coral Canto Verde, regido por Marcos Ferreira. Criado em 1990, o grupo mantinha no repertório canções de gênios da clássica música popular brasileira, como Tom Jobim e Dorival Caymmi. Ao lembrar de sua própria trajetória, dos discípulos que hoje colhem bons frutos do aprendizado na Dó Ré Mi e de projetos que contribuiu para prosperar, a professora Keila Zuliani vê a sua missão como um chamado de Deus a contribuir com o enlevo intelectual de toda uma comunidade, por meio de notas musicais que emprestam o nome ao seu sonho de educadora.

Ao falar da trajetória cinquentenária de seu empreendimento, a professora Keila reserva um destaque para as irmãs Tânia Mara Souza Inácio e Eliane Souza Esck, professoras da Dó Ré Mi. “Há mais de 30 anos elas estão na escola, contribuindo com o seu profissionalismo, carinho e competência”, reconhece.

 

A REPRODUÇÃO de jornal da época mostra em destaque a professora Keila e seu marido, em registro de 1991

Última modificação em Sexta, 01 Setembro 2017 16:34