Sep 24, 2017 Last Updated 5:54 PM, Sep 22, 2017
 
 
 
 
 

No parlamento, seja feita a vontade do prefeito

O líder do governo, Sandro da Hermínio (em pé), parece receber conselhos dos veteranos Carlos Kifer e Zezé O líder do governo, Sandro da Hermínio (em pé), parece receber conselhos dos veteranos Carlos Kifer e Zezé FOTO CLEITON BEZERRA
Publicado em Poder
Ler 373 vezes
Avalie este item
(0 votos)

Governistas da Câmara de Itaguaí evocam democracia e garantem que votam como o Executivo quer

 

AMÉM! Na longa sessão ordinária de terça-feira (22), as divergências entre os edis da Câmara Municipal de Itaguaí atingiu seu ápice mais uma vez. Contudo, uma coisa ficou clara de uma vez por todas: tudo será votado como o prefeito Charlinho (PMDB) quiser. Para além disso, ainda há dúvidas na interpretação do Regimento Interno e reclamações sobre matérias que não são colocadas para votação.

Se o vereador Willian Cezar (PSB) reclamou por várias vezes da ausência de matérias suas na pauta do dia, desta vez foi o vereador Ivanzinho (PSB). O parlamentar disse que eram matérias que não onerariam os cofres públicos, mas que três vereadores pediram vistas consecutivamente. Ele pediu que as matérias sejam colocadas em votação na sessão de hoje, apesar do risco de reprovação. “Sabemos que somos a minoria, são cinco contra 12, mas vamos colocar para votar. Se tiverem que votar e reprovar, que reprovem aqui. O que não pode é ficarem segurando a matéria”, desabafou Ivanzinho.

MAIORIA

A observação que Ivanzinho fez sobre estar em minoria e, por isso, ter as matérias reprovadas faz cada vez mais sentido. Para quem comparece às sessões da Câmara, fica com a impressão de que a maioria dos vereadores abriu mão de sua vereança e se dedica a cumprir as determinações do Executivo. De um lado, os novatos (Dr. Zóia (PSD), Minoro Fukamati (PSD), Haroldo Jesus (PSDB), Sandro da Hermínio (PT do B)) ladeados pelos veteranos (Noel da SOS (PT do B) e Robertinho (PMDB)), passando pela extremidade esquerda da Mesa Diretora (Vinicius Alves (PRB) e Gil Torres (PTN)). Do outro lado, separados do bloco suprapartidário pelos veteraníssimos Carlos Kifer (PP) e Zezé (PRTB), fica Junior do Sítio (PV).

Todos os nomeados acima agem com impressionante harmonia em nome do governo Charlinho, como ficou comprovado na mais longa sessão ordinária dos últimos tempos em Itaguaí. A maioria jamais justificou qualquer voto. Há parlamentares que nunca usaram a tribuna como Minoro ou Haroldo de Jesus. Ainda assim, rejeitaram pareceres técnicos e até o próprio voto. Tudo muito bem justificado por quem já conhece os meandros da política local. Na sessão do dia 17, Carlos Kifer disse que não se preocupa com a questão do parecer, porque quem decide é o governo.

“Pode ser parecer favorável ou contrário, porque no plenário a maioria é que vai decidir e a maioria hoje é do governo, então é o governo que vai decidir. Qual é a dúvida? Eu não sei qual é a dúvida. É assim que nós vamos votar. Não gosto de historinha. Não gosto que contem historinhas”, destacou Kifer.

Mesmo sob protesto da plateia, na terça-feira, Zezé destacou a habilidade de cooptar a base de apoio. “Quando o prefeito iniciou, ele iniciou com minoria. Mas o prefeito é habilidoso e com competência mudou a sua base na Casa. A gente tem que respeitar a maioria. O prefeito teve habilidade para cooptar votos e fazer maioria nessa Casa e hoje a maioria vai decidir de acordo com o que o prefeito quer”, sob vaias Zezé saiu da tribuna, mas deu o seu recado.

Tanto Zezé, quanto Kifer evocaram a democracia, com bastante veemência no plenário e garantem que fazem a vontade do povo, inclusive fazendo as vontades do Executivo na casa parlamentar. Pelo menos com toda essa orquestração, os vereadores, que têm tanto o que fazer, não parecem que vão precisar gastar seu precioso tempo tendo que fiscalizar os afazeres do governo. Pois tudo está sendo realizado de comum acordo. A conferir.

 

Dilceia Norberto

 

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.